A outra voz

“Da mesma maneira, também o Espírito nos ajuda a nós que somos fracos.
Com efeito, nós não sabemos orar como convém, mas o próprio Espírito pede a Deus por nós com gemidos que não se podem explicar.
E Deus, que vê mesmo dentro dos próprios corações, conhece o que o Espírito deseja, porque este pede conforme os desejos de Deus em favor dos que Lhe pertencem.”
Romanos 8:26,27


Esta é uma das realidades espirituais que tanto mexem comigo.

Eu oro, falo com Deus, na minha relação de amizade e amor com Ele, mas eu sou fraca. Eu não sei orar como convém, eu não sei o que falar, eu não sei o que pedir nem o que dizer.

Mas que maravilhoso... num acto tão íntimo de relacionamento, a minha voz é abafada diante de Deus... Ele olha para mim, com olhos de amor, e em vez de ver a minha boca, Ele está a ver o meu coração, porque o Seu olhar penetra todo o meu ser.

E o que é que Ele vê?

Ele vê Ele próprio, materalizado no Espírito Santo, gemendo por mim. Ele olha e vê a Paula, mas da sua boca Ele vê luz, algo que encandeia, que é como o fogo: são os gemidos do Espírito Santo, o único que sabe pedir de acordo com o que Deus deseja.

O Espírito não fala como nós. Ele geme. É verdade que nós também gememos, por vezes, mas mesmo assim os nossos gemidos não podem alcançar a profundidade e intensidade dos gemidos do Espírito.

E quando Deus nos permite ter uma noção do Espírito a gemer por nós, é algo que arrepia profundamente, porque apercebermo-nos disso é algo que nos leva, mais uma vez, ao pó, à face no chão, ao temor, mas também à entrega total... às lágrimas.

É algo que me assombra o facto de saber que tenho em mim, habitando em mim, me enchendo, o ESPÍRITO SANTO.

Que plano assombroso este... Deus decidir que nos Seus Filhos, Ele iria habitar também... nos nossos corpos mortais, na nossa alma muitas vezes fraca e doente, no nosso espírito que necessita ser cada vez mais avivado... mas é mesmo aí que o Espírito fala...

E é por isso que muitas vezes o nosso corpo mortal, carnal, parece não conseguir aguentar a intensidade da presença desse mesmo Espírito, que muitas vezes se move, muitas vezes se agrada em se fazer notar, em cada célula do nosso corpo.

Não dá para duvidar da Sua presença. E quando ela é intensa, não há nada que nos possa abater decisivamente, porque esse Espírito se movendo dentro de nós não nos pode deixar apáticos, tristes, indiferentes.

Ele incendeia, faz os nossos corpos voarem, eleva-nos a uma realidade que é demasiado forte para nós, demasiado gloriosa, demasiado bela...

Espírito Santo de Deus... eu amo-Te de todo o meu coração, corpo, alma e espírito! Tu mexes comigo profundamente!

3 comentários:

vilma disse...

Esta passagem também me deixa nessa tramquilidade.
Muito boa a tua reflexão.
Obrigada Paulinha.

alealb disse...

lindo post.
que nosso Pai a abençoe!
beijos,
alê

TÂnia Palmeiro disse...

Bem...
Que podemos dizer de quando o Espírito pega literalmente em nós e nos leva a gemer dessa maneira inexpremivel?
Não podemos dizer nada...
Nada de nada e é exactamente por não termos palavras suficientes que Ele intercede por nós.
Até nisso o nosso Pai cuida de nós...
Uf...
Deus te abençoe mana