Filhos e enteados



Vi este cartoon e ri sozinha. Foi a minha primeira reacção.

Mas depois perdi a vontade de rir porque me lembrei do quanto os crentes colocam uns mais acima do que outros.

Se o Benny Hinn impuser as mãos sobre mim serei curada. E aí, se ele falhar, só mesmo o André Valadão.

Se a Ana Paula Valadão fosse da minha Igreja, ela não estaria morta.

Eu ainda não me sinto tão perto de Deus como gostaria porque não vivo no Brasil e ainda não caí quando oraram por mim. Sim, porque em Portugal Deus não age da mesma forma. Não, aqui Ele é limitado.

Se eu fosse da Igreja tal, eu seria uma pessoa mais ungida, mais íntima de Deus.

Ai, ai... *suspiro*

Como se diz aqui no Algarve, "MOSS, deixem-se disso!"

Todos nós temos acesso ao TRONO DA GRAÇA, à intimidade verdadeira.

Todos nós somos Filhos e neste relacionamento com o Pai não há preferidos.

Não há filhos e enteados.

Então, por favor, não vivam como se fossem uns desgraçadinhos, uns imperfeitos, uns carnais, olhando para os outros, os "tais"como se a unção de Deus se esgotasse neles.

Quem diz que Deus tem de ter para ti neste momento o mesmo que tem para eles?

Será que essas pessoas que tanto metes num pedestal são necessárias para Deus?

São apenas filhos amados, tal como tu. "Apenas"

Como Paulo disse a Timóteo, eu te digo a ti: "Por favor, não desprezes o dom que está em ti, que recebeste ou não por imposição de mãos"

Se alguém não concorda, manifeste-se! He he

3 comentários:

Lou Mello disse...

Sabe como é, na verdade nossa história universal está repleta dessa concorrência entre os seres humanos. De certa forma, o mestre buscou resgatar a dignidade que há na igualdade, mas seus discípulos fizeram ouvidos de mercadores. No meu telefone o número um está destinado aos pastores, o dois aos presbíteros e o três aos diáconos que é muito diferente do método do Pirola. Quanto aos outros, gravei uma mensagem assim: "Sua ligação é quase importante para nós, aguarda na linha e se tiver alguma sorte, será atendido em breve". Afinal sou muito sensível. :)

bete p.silva disse...

Paulinha, o desenho é engraçado e triste, porque é verdadeiro, muitos crentes pensam assim e eu confesso que muitas vezes eu penso assim também, hoje mesmo eu vinha para casa do trabalho pensando: a minha lista de orações sem resposta é muito grande, será que há algo errado comigo? Preciso começar a me sentir filha...

Lavrador disse...

É Deus que me põe de pé quando caio. Que necessidade tenho eu de cair ainda?